Tecnologia do Blogger.

Archive for Fevereiro 2014

Vou simplesmente acreditar.

Desde que o Avaí firmou contrato com a LA Sports e outras empresas de agenciamento de jogadores, estabelecendo uma nova parceria, tenho convicção - essa palavrinha tão utilizada pelos treinadores trazidos pelas mãos de Luis Alberto - de que teremos pelo menos dois bons anos pela frente. Mesmo que o Catarinense esteja sendo um desastre. À forcéps, teremos um bom time já para esse ano e talvez até para o próximo. Após isso, que segure as calças quem não quiser ficar pelado.

O valor de R$1,3 milhão investido pelos parceiros do clube, dos quais R$500 mil são da LA e Brazil Soccer (Uram) e R$300 mil da Plus Sports, é um sinal de que o cenário é sério e que as coisas em campo terão que andar muito bem. Só assim os jogadores envolvidos no negócio poderão valorizar. Portanto, todos os envolvidos farão um esforço muito grande para obter o máximo retorno financeiro e assim lucrar o máximo possível. Se não o fizerem, estarão perdendo dinheiro. O que significa que o torcedor pode acreditar: o Avaí deve montar um bom time para a Série B, mesmo que não pelas próprias mãos.

Muita convicção será ouvida saindo da boca do treinador para justificar algumas escolhas que não façam sentido sob uma análise puramente futebolística, de qualidade dentro das quatro linhas. Desde que os resultados venham, claro. Diferente da gestão predominante no Avaí Futebol Clube nos últimos 12 anos, empresários bem sucedidos não rasgam dinheiro. E não deixam que o clube administre sozinho a questão, pois querem garantir o retorno de cada investimento feito. Muita interferência acontecerá ainda, seja na escalação ou no dia-a-dia.

O que nos leva a uma lembrança boa e outra ruim: em 2007, Luis Alberto salvou o Avaí do rebaixamento. Em 2008, enxertou o elenco nas posições necessárias. Subimos. Em 2009, manteve os melhores e fez um time de destaque nacional. Aí, então, com a máxima valorização que conseguiria, vendeu tudo o que pôde. Faz todo o sentido do ponto de vista empresarial, mas a Diretoria precisa se preparar para este cenário. Por exemplo, pode cair no colo dela a tarefa de montar o time depois de um possível sucesso e consequente desmanche de elenco. O clube, dentro dos termos do contrato, deve preparar-se para caminhar com as próprias pernas caso o custo - e consequentemente o retorno - de montar de um elenco para Série A seja muito alto e portanto não muito atrativo aos empresários.

Portanto, torcedor avaiano, nos próximos 2 ou 3 anos, aproveite. Deve haver gente muito interessada e se esforçando no sucesso do time por esse período. Só não esqueça de cobrar muito a responsabilidade necessária dos dirigentes. Para que o Avaí não vire uma Tombense e também simplesmente não repita os fracassos retumbantes da última década e deste campeonato catarinense. Até lá, muitas alegrias hão de vir. Sabe-se lá a que custo. 

Ouçam a arquibancada.

Tem coisas que é impossível todos na arquibancada estarem vendo, menos o treinador e o Departamento de futebol.

Eduardo Neto e Bruno Maia não vingaram. Roberto marcando lateral adversário é pegar dinheiro e jogar no lixo. Paulo Sérgio fazendo pivô em cima de zagueiro de 2 metros é piada.

Diego Jardel foi banco um tempão e agora está mostrando o bom futebol que tem, mas precisa treinar melhor a condução com o pé direito. Não é solução nenhuma, mas está mostrando que merecia mais chances.

Diego falhou em metade dos gols que tomamos.

Para completar, temos um time sem preparo físico adequado, que chega se arrastando ao final dos jogos e que ainda corre errado, por estar mal posicionado.

O Avaí se complica em coisas simples e ainda joga a culpa em quem pode ser solução, como Marquinhos. Parece que desviar a culpa pela falta de planejamento virou a tônica dos últimos anos.

Temos um bom elenco, mas ficamos tropeçando nas próprias pernas por coisas pequenas. Há tempo para colocar a locomotiva avaiana nos trilhos. O hexagonal é uma boa oportunidade para preparar uma boa largada na Série B. O Avaí continuará tropeçando nos próprios pés por mais um ano?

Duvido. Quero ver, Turra.

Se algo me incomoda desde o ano passado é a passividade do Avaí quando não tem a posse da bola. O que não chega a ser um problema muito grande quando se domina o jogo a maior parte do tempo, mas encoraja os adversários a chegar na nossa meta. Na linguagem da velha crônica esportiva, o Avaí é um time que joga e deixa jogar. Não deve ser mais.

Paulo Turra, aquele que não teve influência nenhuma na vitória no clássico, está tentando impôr uma filosofia de jogo diferente. O time agora tem que jogar e encurtar os espaços do adversário, com todos os 11 exercendo um papel de marcação. 

Na teoria, é lindo. Na prática, dificílimo. Contra o Brusque, o Avaí perdeu no fôlego. Chegou ao final do segundo tempo se arrastando. Para jogar como o novo comandante quer, precisaria ter um dos melhores preparos físicos do Brasil. Como diz Guardiola, o melhor do mundo: 
- Nós corremos muito. Este é o primeiro passo. Só então podemos jogar bem.
Mas há alternativas para a falta de preparo físico. Uma delas foi marcante para o futebol mundial e especialmente para mim. Jamais esqueci. Em 2010, o Uruguai foi longe na Copa do Mundo com uma estratégia de jogo absolutamente espetacular: os ataques em onda

Não lembro ao certo em que jogo foi, nem se era uma estratégia do time durante toda a copa, mas no jogo em que assisti funcionou de maneira soberba. O técnico Oscar Tabárez, sabendo das dificuldades físicas do elenco, optou por fazer o time inteiro avançar, encurtar os espaços e não dar alívio ao adversário regularmente, a cada 20-25 minutos. Durante o tempo "de descanso", os uruguaios se fechavam no campo de defesa, precisando correr menos, evidentemente. Não era o simples "só sair na boa", era muito diferente. 

É a única maneira que o Avaí teria, hoje, para adotar um futebol total como o pretendido por Paulo Turra. Duvido muito que consiga. 



O TJD vestiu a camisa.

Bogdan, o alvinegro, vestiu a camisa de novo.
(desculpa pela merda de montagem!)
Marquinhos e Eduardo Costa serão denunciados por provocação ao público. No 4x0, isso não foi relevante para o TJD. Marcos Assunção nem denunciado foi. De resto, todas as outras acusações são justas. O que chama a atenção de qualquer um é a omissão do TJD com o principal jogador do Figueirense. Leia matéria completa sobre o assunto no Infoesporte.

Ser eliminado não é o fim do mundo, mas é uma merda.


O Avaí está muito próximo de ser eliminado matematicamente do campeonato. Jogará a vida contra a Chapecoense e ficará torcendo por:

  • Empate do Marcílio Dias com Figueirense;
  • Vitória do Brusque sobre o Joinville;
  • Vitória do Juventus sobre o Criciúma;
  • Vitória do Ibirama sobre o Metropolitano;
O destaque no último jogo não é à toa. Se o Metropolitano estacionar nos 12 pontos e o Avaí vencer a Chapecoense, ficando com 10 pontos, o time de Blumenau e o da Ilha disputarão uma vaga no G4 na última rodada.

Porém...
A chance maior, muito maior, é que tudo dê errado. Que nada disso aconteça e que o primeiro dentro do G4 ao final da próxima rodada tenha mais de 12 pontos, eliminando precocemente o Avaí da disputa. 

Isso seria uma merda, mas, pensando mais alto: é melhor preparar o time para a Série B ou levar aos limites na disputa pelo título? Paulo Turra chegou "ontem" e ainda tenta impor seu estilo de jogo. Terá um trabalho bem mais fácil jogando o hexagonal. Sim, porque ainda teremos que jogar essa merda também. 


O Avaí não é para covardes.


Ando transtornado com o caos instalado no Avaí após a derrota vexatória, humilhante, diante do Brusque na Ressacada. Tenho poupado o leitor de uma série de xingamentos e impropérios que tenho vontade de dizer, mas não posso dizer que a turma do Twitter não esteja sofrendo com o mau humor.

A última ignorância, burrice flagrante, estupidez da Diretoria do Avaí foi manter Emerson Nunes após a derrota para o Joinville e demiti-lo antes do clássico, sem ter um técnico para comandar o time. Vamos pro pau sem treinador, afinal a covardia tem sido a tônica desse ano do clube. Diretores, presidente e vice escondidos, ninguém dá as caras. O recém-chegado Chico Lins é quem ainda tenta dar alguma cara de organização à verdadeira bagunça.

Hoje, Nilton Macedo ainda soltou uma pérola de covardia e cara-de-pau  mas isso deixamos para semana que vem. Por agora, ficamos com a certeza de que se a vitória vier, a culpa com certeza não será do cagão.

O Douglas vai acabar careca...


Estatística: Cleber Santana e os pênaltis.

Cleber comemorando gol de pênalti
sobre o Figueirense. 
Depois de mais um pênalti desperdiçado por Cleber Santana, lembrei de uns tantos que ele desperdiçou naquele Catarinense 2012 e fui atrás dos dados de penalidades convertidas e desperdiçadas pelo craque. Há uma fonte de imprecisão nos dados, pois é muito mais difícil achar dados sobre chances desperdiçadas do que convertidas. Mas creio que estejam corretos, pois gastei um bom tempo no Google. Vamos lá:



Cobranças de pênalti de Cleber Santana pelo Avaí
2012
Catarinense 
5 cobranças, 3 perdidas.
Desperdiçadas: Marcílio Dias, Brusque, Joinville.
Convertidas: Ibirama, Figueirense. 

Série B
4 cobranças, 0 perdidas.
Desperdiçadas: 0
Convertidas: São Caetano, Ipatinga, Ceará, Guarani.

2013
Série B 
2 cobranças, 1 perdida
Desperdiçada: Figueirense
Convertida: ABC

2014
Catarinense
1 cobrança, 1 perdida. 
Convertidas: 0
Desperdiçada: Brusque

Total de 12 cobranças, 7 convertidas e 5 desperdiçadas. Cleber tem um índice de 41% de erro em cobranças de pênalti pelo Avaí. É muito para um batedor de pênaltis oficial. Ótimo jogador, mas pode transferir essa responsbilidade a outro. A questão é quem

Clássico é honra.

Clássico é um jogo atemporal e incondicional: não há variável que permita qualquer previsão de resultado. O único fator que foge aos efeitos do sobrenatural em um clássico é o desempenho de uma torcida.

Vamos calar o chiqueiro novamente, como sempre, independente de posição na tabela e independente no resultado que vier. Quanto maiores as dificuldades, mais alto cantaremos. Até que nada nos reste. Nem mesmo a voz. Venceremos. Ao menos nas arquibancadas.


Pré-jogo: Avaí x Brusque.

Avaí e Brusque enfrentam-se às 19h30 desta quinta-feira em uma partida carregada de drama, psicopatia e caos. Está em jogo nada menos que a vaga no hexagonal do Chevettão 2014, disputa em que os dois times são líderes, com quatro pontos, sendo que os brusquenses têm um jogo a menos. Tirem as crianças da sala, pois essa partida vai sacudir, vai abalar as estruturas da Ilha de Santa Catarina.
O pré-jogo completo, de autoria de Felipe Silva, você confere aqui

Pra não “descarrilar” - Por Kátia de Paula*

O final do ano passado reflete assustadoramente no início desse ano.

O legado assumido pela atual diretoria avaiana respinga com força dentro e fora do campo.

Dívidas, salários atrasados, derrotas asssutadoras, Ressacada vazia.

O Avaí desde a partida memorável contra o Bragantino venceu apenas dois jogos: contra o Boa (último jogo do brasileiro de 2013) e esse ano contra o Juventus.

É nada diante da grandeza do nosso Clube.

Nilton Macedo e alguns de colaboradores conhecem e sabem os motivos que nos tiraram dos “trilhos”.

Leia o restante no site da Conselharia Azurra.



*Kátia de Paula chefe de Expediente do Curso de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), graduada em Filosofia,  pós-graduada em Gestão Universitária e proprietária do blog DNAzul.

Os reflexos da saída de Rondinelli.

A saída de Júlio Rondinelli, que mantinha uma ligação muito próxima da empresa Plus Sportsacabou por culminar em alguns movimentos interessantes do departamento de futebol. O saldo das negociações decorrentes da demissão do ex-dirigente é positivo para o time e para o clube, com dinheiro e bons atletas entrando e esforços sendo feitos para os melhores ficarem. 

Saídas
"Paula Ovislink informa: substituição no Avaí..."
Luciano foi vendido e deve seguir para algum clube paulista. Corinthians, talvez. Se é verdade que sua venda poderia trazer mais dinheiro ao clube se fosse feita mais tarde, também é verdade que apostar na valorização dele era um negócio muito arriscado. zagueiro Egon foi emprestado. Não lembro de uma partida sequer dele pelo Avaí. Mais um come e dorme trazido pelo ex-dirigente. Em comum, o fato de ambos pertencerem à Plus Sports

Chegada
Roberto finalmente saiu no BID e pode jogar pelo Avaí já na quinta-feira. Uma história que se espalha pelas arquibancadas da Ressacada é que Rondinelli não queria assinar o contrato. Até faz sentido, haja vista que Luciano e Betinho eram os atacantes titulares e também são da carteira de atletas da Plus.

Manutenção
Na manhã de hoje, o jornalista Gustavo Bossle ainda afirmou que a renovação de Marquinhos Santos agora virou prioridade na Ressacada. Para bom entendedor, nem o grifo seria necessário. 

Tudo que é em excesso...

Deixei este texto programado para ser publicado 1 hora após o post criticando a postura do craque Cleber Santana, de pedir paciência e ainda defender Júlio Rondinelli. Nem esperei muito para ver a saraivada de críticas, só vi o início e tive certeza de que seria crucificado. Sim, eu sei que sozinho ninguém faz verão. Que não dá para decidir os jogos sozinho. É o caso do camisa 88. Assim como é o caso do camisa 10. Cheguei ao ponto? 

Jogador é pra jogar bola, não para ficar dando pitaco sobre os assuntos extra-campo. Marquinhos já sofreu muitas críticas por isso, com Cleber não será diferente. O que se espera agora é que, com os salários sendo colocados em dia, o time inteiro comece a render melhor. E aí tudo isso fica no passado...

Rapidinha: Vai jogar bola, Cleber.


Em entrevista coletiva pós-jogo, Cleber Santana pediu paciência à torcida e ainda defendeu o ex-dirigente Júlio Rondinelli. Para ele, a saída do dirigente foi "uma dessas injustiças do futebol".

Menos, Cleber, menos. Nem ao menos estás decidindo os jogos. É só passe pro lado e objetividade nenhuma, ainda que sempre com belas jogadas que terminam da mesma maneira que começaram: sem gols. Uma dessas grandes injustiças do futebol é o Avaí pagar tão caro por um jogador que não tem nem chutado a gol.  É pra jogar para vencer, não só para encantar. 

Quando tiveres conquistado pelo Avaí metade do que o Marquinhos já conquistou, podes ter dar ao luxo de cometer os mesmos erros com a boca. 




Curiosidade: quem pode transmitir o que na TV brasileira?

Por Bruno Bonsanti, para o Trivela.

São sete emissoras de televisão que dividem os direitos de transmissão dos principais torneios de futebol do Brasil. A maioria de TV paga. Se a ESPN Brasil e a Fox Sports dividem os europeus, a Globo e o SporTV têm prioridade sobre os campeonatos nacionais. O Esporte Interativo e o Bandsports têm uma coisa ou outra e compensam com outros esportes, enquanto a Sports Plus tem no Espanhol o seu carro-chefe. Veja os canais nos quais os jogos preferidos são transmitidos.

Obs.: As escolhas dos jogos entre emissoras que dividem direitos funciona que nem a pelada da sua rua. Quem ganha o par ou ímpar – no caso, quem tem a primeira escolha – leva o principal jogo da rodada. O outro escolhe o segundo, e assim sucessivamente.
EUROPA

CAMPEONATO ALEMÃO

A Fox Sports adquiriu com exclusividade os jogos da Bundesliga no Brasil a partir da temporada 2015/16. O contrato tem validade de cinco anos. A parceria entre a empresa de Rupert Murdoch vai colocar o futebol alemão em 80 países, inclusive toda a América Latina e maioria da Ásia. Nesta temporada e na próxima, os direitos do campeonato ainda são da ESPN Brasil.

CAMPEONATO INGLÊS

Quando chegou ao Brasil, a Fox Sports decidiu exercer seus direitos sobre o Campeonato Inglês, que dividia com a ESPN. O contrato vai até 2015/16. A cada rodada, uma delas tem o direito às escolhas ímpares (1ª. 3ª, 5ª, 7ª e 9ª) e a outra fica com as pares (2ª, 4ª, 6ª, 8ª e 10ª). Na rodada seguinte, inverte. A emissora da Disney tem os direitos da Copa da Inglaterra, da Copa da Liga Inglesa e da segunda divisão até 2018.

CAMPEONATO ESPANHOL

O Sports+, canal da empresa argentina TyC que está apenas no pacote da Sky no Brasil, tem os direitos de transmissão e os sublicencia para a ESPN Brasil. Em uma rodada, o Sports+ tem a 1ª e 3ª escolhas, enquanto a ESPN tem a 2ª, 4ª e 5ª, além do direito de passar a 1ª em VT. Na rodada seguinte, o Sports+ tem a 2ª e a 4ª escolhas, e a ESPN fica com a 1ª, a 3ª e a 5ª, além do VT da 2ª. As duas também dividem a Copa do Rei.



CAMPEONATO ITALIANO

Fox Sports tem exclusividade dos direitos de transmissão até 2015. A ESPN Brasil tem a Copa da Itália e, em VT 48 horas depois da realização, um jogo da Serie A por rodada.
CAMPEONATO FRANCÊS

Os direitos de transmissão são do Sportv, mas a ESPN Brasil tem sublicença para transmitir o Campeonato Francês. A emissora carioca tem direito à primeira escolha. A ESPN tem exclusividade da Copa da Liga Francesa e divide a Copa da França com o Esporte Interativo.
CAMPEONATO PORTUGUÊS

Desde de a temporada 2012/13, a Liga Sagres passa apenas no SporTV, mas o Esporte Interativo conseguiu manter a Taça de Portugal.

CAMPEONATO HOLANDÊS

Será da ESPN até o fim da atual temporada, mas depois passa para a Fox Sports.

CAMPEONATOS GREGO, RUSSO, UCRANIANO E TURCO

São todos da ESPN Brasil.

COMPETIÇÕES EUROPEIAS

A ESPN Brasil possui os direitos de transmissão para TV fechada da Liga dos Campeões, mas sublicencia para a Sports+, que tem exclusividade da segunda escolha de cada rodada. A Globo é dona dos direitos para TV aberta, e licenciou para Bandeirantes e Esporte Interativo, que transmitem um jogo por rodada. A Globo tem exercido seus direitos apenas nas semifinais e na final. A Liga Europa é do EI e do Portal Terra, que a sublicenciou para a ESPN. O Esporte Interativo tem as melhores escolhas.
AMÉRICA
COMPETIÇÕES SUL-AMERICANAS

Com ligações muito próximas à Conmebol, a Fox Sports tem a Copa Libertadores para as Américas. O grupo de Murdoch repassava o torneio para a SporTV e Globo, mas requisitou a exclusividade para TV paga quando lançou seu canal do Brasil. A partir de 2013, a Fox fez um acordo com a SporTV. Os dois canais compartilham a primeira escolha da rodada. A Fox tem exclusividade da segunda e a SporTV, da terceira. Todos os demais jogos são da Fox. O esquema é o mesmo da Copa Sul-Americana. Em troca de abrir mão da exclusividade dos torneios da Conmebol, a Fox recebeu a Copa do Brasil, o direito de passar um VT do Brasileiro, a Copa de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.



CAMPEONATO ARGENTINO

Mesmo caso do Inglês. A Fox Sports chegou ao Brasil com os direitos e decidiu exercê-los.

MAJOR LEAGUE SOCCER

Nos Estados Unidos, é dividido entre ESPN e NBC. Aqui, apenas da empresa do Mickey Mouse.

CAMPEONATO MEXICANO

No México, a situação é um pouco mais complexa. As televisões podem passar as partidas dentro de casa dos clubes que assinaram contrato com elas. A Televisa (10) e a TV Azteca (8) dividiam os 18 times do torneio até o León subir para a primeira divisão e assinar com a Fox Sports. No Brasil, a ESPN Brasil tem os direitos de 17 equipes, menos do León, que é da Fox.

BRASIL
CAMPEONATO BRASILEIRO

Quem passa o Campeonato Brasileiro em TV fechada é o SporTV, que permite que a ESPN Brasil transmita os melhores momentos estendidos. A Fox Sports também passa os melhores momentos e um jogo em VT.

COPA DO BRASIL

A Copa do Brasil é da SporTV, que repassou para ESPN e Fox Sports. O esquema de compartilhamento da SporTV com a Fox é o inverso da Libertadores.
COPA DO NORDESTE E COPA VERDE

A Globo tem exclusividade para TV aberta e o Esporte Interativo Nordeste para a TV fechada (o canal regional do EI não é aberto).
ESTADUAIS

A Globo (e, por tabela, a SporTV) tem direito dos Estaduais de Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. A Bandeirantes tem a sublicença para o Carioca e o Paulista. O Esporte Interativo Nordeste tem os estaduais de Alagoas, Maranhão, Piauí, Paraíba, Rio Grande do Norte e Sergipe, além do Ceará a partir de 2015. O Campeonato Paraense é da TV Cultura do Pará. A Série A2 de São Paulo está na Rede TV e a A3 é da Rede Vida.
MUNDO

COPA DO MUNDO DE 2014

A dona dos direitos de transmissão é a Globo e, consequentemente, na TV fechada, o SporTV, mas ESPN, Bandsports e Fox Sports também vão passar a competição.
MUNDIAL DE CLUBES

É da Globo e do SporTV, mas a parceira Band, que divide jogos de Campeonato Brasileiro na TV aberta, também passou a última edição no Bandsports.

Nilton insistiu por Rondinelli. Por quê?

Tanto na nota oficial emitida pelo clube quanto nas entrevistas às rádios, o presidente Nilton fez questão de salientar que não queria a saída de Júlio Rondinelli. No seu discurso, reafirmou que o ex-dirigente foi importante para levantar recursos para o clube. Creio que a passagem de Rondinelli não foi colocada na balança para se chegar a essa conclusão.

É importante lembrar que, mesmo levantando recursos, estes vieram da venda de jogadores de quem o Avaí possuía passes e poderiam ser vendidos a um valor muito mais alto se o mesmo Rondinelli não tivesse estourado orçamentos e criado tantos outros de contratações e dispensas equivocadas, no prosseguimento de uma política de prejuízos que foi a tônica da gestão Zunino.

Se foi tudo culpa do ex-dirigente ou ele foi simplesmente obrigado a obedecer ordens nos últimos dois anos, aí seria a hora do próprio deixar bem clara a questão e defender seu cargo. Ao menos Julio pediu para sair, o que já é muita hombridade. 

Vendendo a alma a alguns diabos.

O Avaí procura soluções para botar as contas em dia sem abdicar de competir. Em entrevista às rádios, o presidente do Avaí, Nilton Macedo Machado, foi claro e transparente quanto aos próximos passos do clube em relação a investidores e com quanto cada um entrará.

  • Luis Alberto (LA Sports) - R$ 500 mil;
  • Eduardo Uram (Brazil Soccer)-   R$ 500 mil;
  • Plus Sports - R$ 300 mil.
Não consegui entender se trata-se de um aporte de investimento imediato, relacionado à compra de percentuais de jogadores do Avaí da base ou profissionais, ou algum tipo de investimento periódico. Segundo o presidente, é natural que os empresários queiram retorno e que o Avaí pague o preço de receber os investimentos, mas não ficou claro como será esse modelo.

De qualquer maneira, ficou muito evidente pelas declarações de Luis Alberto em suas entrevistas que ele terá voz ativa na gestão de futebol. Ele também não escondeu de ninguém que Rondinelli era um empecilho, pelo "tipo de trabalho" que cada um desenvolve. Com certeza não é exatamente isso, mas alguma desculpa sempre tem que ser dada. E aí voltamos à incógnita LA, se fará o bom serviço de 2008 ou o péssimo de 2011...

Pós-jogo: Quando Tigre e Leão miaram.


Avaí e Criciúma não saíram do zero a zero no placar na Ressacada e mostraram deficiências que se repetem jogo após jogo em ambos os times. Ainda que com uma leve superioridade do time da casa. Dominando todo o jogo mas pecando nas finalizações e sofrendo com as opções de Emerson Nunes, o Leão acabou ficando em situação complicada no campeonato, amargando a vice-lanterna.

Com Marquinhos no banco e sem a camisa 10 (que, aliás, não sei com quem ficou), o Avaí até foi um pouco mais rápido. Mas também ficou pior no toque de bola. Após passar por Cleber Santana a pelota não encontrava mais nenhum afago sequer carinhoso. Luciano e Betinho, especialmente os dois, cansaram de desperdiçar chances, jogando o possível resultado positivo por água abaixo. 

Felipe Alves, que foi preferido em relação ao galego, entrou para tentar mudar algo e mais uma vez demonstrou toda sua inutilidade ao time. Ainda não consegui perdoá-lo pelo gol perdido no clássico, em que tentou encobrir o goleiro a uma distância absurda, mesmo sem ninguém a sua frente. Com a entrada do capitão avaiano, chegamos muito mais perto do gol, mostrando até mesmo superioridade técnica em relação ao time mais caro do campeonato. Mas não deu. A perseguição de Emerson Nunes a Marquinhos evitou que essa fosse a tônica durante a maior parte do tempo, dando verdadeiro poder ofensivo ao Avaí somente por poucos minutos.

Ficam como destaques positivos a bela partida de Tinga e Bocão, além é claro de mais uma bela e inútil partida de Cleber Santana, mesmo fazendo somente o feijão com arroz, sem nenhum poder de decisão. Tanta qualidade sendo desperdiçada em toques pro lado. 

O Avaí precisa mudar para melhorar. E não vai ser tirando os bons do time. 

Avaí x Criciúma: pré-jogo.


O jogo da tarde de hoje, na Ressacada, promete ser um baita teste para cardíacos. Ao menos pela parte dos avaianos - além de Emerson Nunes, que realmente é cardíaco.

O cenário do Avaí não é focado na bola, no esquema de jogo, no futebol. A questão para hoje é o que motiva os jogadores a correrem. Esta semana, pingou um pouco de salário nos bolsos e ainda promessas para mais em futuro breve, além da saída de Julio Rondinelli - com quem os boleiros não bicavam. Espera-se no mínimo um pouco mais disposição do time, pois nem ao menos conseguiram disfarçar a entregada para o Joinville (veja novamente os gols). 

De novidade, a concentração anterior ao jogo. Dizem, e não confirmo, que o Avaí não estava concentrando já há algum tempo. Ah, e você deve estar perguntando sobre Emerson Nunes. Chico Lins responde:
Até o jogo com o Criciúma o Emerson não sai. "Ah, e se perder?", aí essa pergunta você me faz na segunda-feira - Chico Lins
Pelo lado do Criciúma, existe uma grande pressão pela vitória. Apesar do Tigre não viver um momento ruim no campeonato, com apenas uma derrota em quatro jogos, o time ainda não honra o fato de possuir a maior folha salarial do campeonato, sem apresentar um futebol condizente com o que se espera. O técnico Ricardo Drubscky (obrigado, Google) promete mudanças na escalação em relação aos 11 que perderam para o Metropolitano em Blumenau. 

Ficha técnica

Avaí x Criciúma - Ressacada - 9/2/2014 - 17h  

Relacionados 

Avaí
Goleiros: Diego e Aleks
Laterais: Arlan, Bocão, Eduardo Neto e Pará
Zagueiros: Antonio Carlos, Bruno Maia e Pablo
Volantes: Eduardo Costa, Julo Cesar, Revson e Tinga
Meias: Marquinhos, Cleber Santana, Elivélton, Diego Jardel e Zangão
Atacantes: Felipe Alves, Betinho e Luciano

Criciúma
Goleiros: Bruno e Galatto
Zagueiros: Escudero, Rafael Donato e Ronaldo Alves
Laterais: Eduardo, Ezequiel e Rogério
Volantes: Maylson, Serginho, Anderson Uchoa e João Vitor
Meias: Paulo Baier, Lulinha, Everton, Ricardinho e Thiago Humberto
Atacantes: Lucca, Fernando Karanga e Rodrigo Silva

Arbitragem

Célio Amorim, auxiliado por Helton Nunes e Fernando Colombo

Ingressos

Social (Setor A) – R$ 50,00 (R$ 25,00 meia entrada)
Cadeira Coberta (Portões 3, 4 e 5) – R$ 50,00 (R$ 25,00 meia entrada)
Cadeira Descoberta (Portões 2 e 10) – R$ 30,00 (R$ 15,00 meia entrada)
Visitante (Portão 9) – R$ 30,00 (R$ 15,00 meia entrada)
Menores de 12 anos (Qualquer setor) - R$ 5,00.

Liberação de pistas em sentido único

Centro –> Estádio da Ressacada
Das 15h30 às 15h50
Das 16h05 às 16h25
Das 16h40 às 17h

Ressacada –> Centro
Das 19h40 às 19h50
Das 20h08 às 20h30
Das 21h20 às 21h30
Das 21h55 às 22h05

Com informações de www.avai.com.br, www.criciumaec.com.br e www.fcf.com.br.

A incógnita LA.

Coleção de lendas (positivas e negativas) que LA trouxe para a Ressacada.
Com a confirmação oficial da saída de Julio Rondinelli, o Avaí acena com uma parceria entre clube e a empresa LA Sports, velha conhecida do torcedor avaiano. Uma estratégia ousada do presidente Nilton Machado. Talvez até arriscada. 

Na gestão anterior só obtivemos sucesso com a parceria de Luiz Alberto, que salvou o time do rebaixamento em 2007 e formou os elencos de 2008 e 2009. Por outro lado, também foi por meio do mesmo emprésario que o Avaí teve o time campeão catarinense e 6º colocado no campeonato brasileiro desmanchado. LA e sua empresa saíram do Avaí em 2010 e retornaram em 2011, dessa vez sem Eduardo Gomes, com contratações péssimas e resultados pífios em campo, abrindo um rombo no caixa do clube do qual não nos recuperamos ainda hoje

No atual cenário, a questão para o Avaí é de que a parceria é necessária. A injeção de dinheiro e a visão administrativa de negócios que o clube ganha é fundamental para evitar a bancarrota evidente. Porém, entretanto, todavia, como já foi experimentado antes, se absolutamente tudo for deixado ao comando de Luiz Alberto para que faça o que quiser, o Avaí pode, desde já, começar a avaliar novamente quanto vale a Ressacada e o seu terreno... 


As novidades no "caso LA", por Fabiano Linhares.

Como comentado na postagem desta manhã, o presidente Nilton continua  priorizando a independência do Avaí. Resta saber a que custo e que tipo de independência é essa. Deixar Rondinelli continuar contratando mal como faz não é um caminho saudável. 

O Avaí responde: A culpa é de quem saiu. Não do Rondinelli.


O torcedor avaiano Walério Dias encaminhou o seguinte e-mail à Ouvidoria do Avaí:

"Campanha MELHORAVAÍ:
Nós, membros da torcida avaiana, por meio desta carta exigimos à diretoria do Avaí Futebol Clube esclarecimentos sobre o atraso na folha de pagamento do elenco do timeExigimos também a imediata saída de Júlio Rondinelli, por entender que a falta de competência em sua administração, influencia diretamente o mau rendimento da equipe em campo. O cargo de gerente de futebol deve ser preenchido rapidamente por um PROFISSIONAL capacitado para tal, que se comprometa em sanar os problemas de sua área de atuação e também em prestar bom serviço ao clube. A torcida avaiana exige, também, uma maior transparência na administração do clube e a criação de um eficiente canal de comunicação entre os torcedores e os membros da administração e da diretoria do clube. Esperamos essas mudanças a curto prazo, pois estas são essenciais para a manutenção do número de torcedores e para a fé que estes torcedores depositam no Avaí Futebol Clube. Foi pedido maior participação dos torcedores nas atividades do clube, e informado que membros da gerência do clube estariam dispostos a atender as reivindicações da torcida. Através desta carta a torcida expõe ao Clube suas exigências, cumprindo com o dever de zelar           pelo melhor do Avaí Futebol Clube. Esperamos que tais exigências sejam prontamente atendidas. Atenciosamente, A TORCIDA."
O e-mail foi respondido hoje, às 10:57h:

"Bom dia Walério!

Sobre sua mensagem, encaminhada pela ouvidoria, pela qual, mencionando como "Nós, membros da torcida avaiana", "exigimos" da Diretoria "esclarecimentos sobre o atraso na folha de pagamento do elenco do time", assim como "a imediata saída de Júlio Rondinelli, por entender que a falta de competência em sua administração, influencia diretamente o mau rendimento da equipe em campo".

1 - Atraso no pagamento da folha dos atletas - quando assumimos a direção do Avaí Futebol Clube (mesmo interinamente ao final de setembro de 2013 e definitivamente em 12 de dezembro de 2013), encontramos a folha de pagamento que vinha, sempre, com um mês de atraso, desde fevereiro, e com uma agravante: os recursos contratados com CBF e patrocinadores haviam sido antecipados, para pagamentos durante o ano, aliada à baixa arrecadação com o pequeno número de associados pagantes. Resumo: não havia mais recursos suficientes a receber até final do ano, enquanto todos os compromissos continuaram: folha de pagamentos, encargos fiscais e trabalhistas, reclamatórias trabalhistas antigas com bloqueio de valores, etc....  

A solução que se anteviu, ao final do ano: providenciar um orçamento enxuto para realizar em 2014, com o qual foram previstos pagamentos em dia (2014), enquanto os atrasados devem ser pagos de acordo com a arrecadação - assim houve pagamento parcial do débito de 2013, com outros recursos.

2 - Júlio Rondinelli - tem se demonstrado fiel à administração, tendo sido ele quem lutou para arranjar recursos em outubro/2013 para pagamento do saldo de agosto e parte de setembro, com negociação de parte de percentual de dois atletas, assim como, recentemente, por intermédio dele, se adquiriram vários atletas sem custo para o Avaí Futebol Clube e ainda ingressaram mais recursos financeiros.

Temos certeza de que o mau rendimento da equipe não pode ser creditado apenas ao Júlio Rondinelli, mas especialmente à questão financeira (falta de receber o que se tem direito é desmotivante) a qual, a partir da semana vindoura, com a liquidação da folha de janeiro, poderá ser estabilizada.

Mas, estamos atentos aos reclamos da torcida e com abertura às reivindicações. Algumas podem, eventualmente, não ser acolhidas, exatamente pensando na questão financeira. 

Saudações!
Ouvidoria
ouvidoria@avai.com.br"

Vamo, vamo, Avaê? - Por Cláudio Vicente


Era pra ser apenas um grito de incentivo da torcida ao time, mas infelizmente se transformou no estilo de gestão do Avaí nestes últimos meses. Este coro foi cantado pela chapa vencedora da disputa eleitoral para o Conselho Deliberativo (a primeira em 90 anos de clube), no momento da publicação do resultado das eleições. E parece que muita gente na Ressacada acreditou que o grito produz uma energia capaz de resolver problemas em um passe de mágica, substituindo o trabalho árduo que, bem sabemos, é necessário para tirar o clube do abismo financeiro e administrativo em que se encontra.

Leia o texto completo no site da Conselharia Azurra.


*Cláudio Vicente é administrador, consultor e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Foi conselheiro do Avaí por cinco anos e, entre 2010 e 2012, ocupou a Superintendência Administrativa e a Diretoria de Marketing do clube.

Manhã de expectativas para o Avaí.


Surgiram com força nas redes sociais os boatos de que Júlio Rondinelli deve ser finalmente demitido do Avaí hoje, com a reaproximação do clube com Luís Alberto (LA Sports - foto). De informações concretas, pouco. Mas as expectativas são fortes para esta sexta-feira.

Conforme os boatos, Luís Alberto somente se reaproximará do Avaí como parceiro se Julio Rondinelli estiver fora do clube. As razões parecem óbvias: não cabem tantos caciques em uma só aldeia.

Não cheguei a conferir nenhuma das especulações e chutes que circularam nas redes sociais. Até jornalista chutador profissional repassou a versão deste post. Resta dizer que não confio em Luís Alberto. Nada apagará o descalabro que ele promoveu em 2011 com o Avaí. Uma parceria precisa ser bem estudada, para que não se apinhe o time com jogadores do naipe de Dirceu, Welton Felipe, Daniel e cia. novamente. Mas, verdade seja dita, os únicos anos de sucesso do Avaí na última década foram com ele. Além do mais, só por tirar Rondinelli do Avaí, já seria bem vindo.

Pelo que se sabe, Nilton Macedo luta como pode para manter a independência do Avaí e já teria recusado propostas de empresas dispostas a colocar dinheiro, mas também profissionais a seus mandos no clube. Atitude muito sensata. Que mantenha essa postura.

Oremos.


Reservas e penicos - por Kátia de Paula

Foto: Antonio Carlos Mafalda/Mafalda Press

Reservas!
Sim, nós somos reservas no Avaí.
Só saímos do banco quando nos chamam pra lotar a ressacada e ser sócios.
Aí sim (durantes os jogos), eles querem e precisam da nossa pre$ença na Ressacada .
Mas quando a gente tentar falar alguma coisa sobre o que não está gostando:
Banco (dos réus) pois estamos depondo contra o Clube.
No mais...
A cada vez que a crise se 'avaianiza' ninguém fala com a gente, ninguém nos reconhece, ninguém nos ouve.
Ah, só o Chico (ainda bento) que vem ao microfone tentar explicar o 'agora'.
Porque sobre o 'ontem' todo mundo sabe que ele não participou de nada.

Reservas = banco$: camisas 12 e 10.
Maior lei do silêncio é a que nos és imposta todos os anos
Sem transparência, sem novo estatuto, sem grana, sem futebol.

Só na fritura.
Primeiro fritaram a 12 agora estão fritando a dez.
A gente continua vestindo a camisa, mas cada vez tem menos Avaianos em campo e nas arquibancadas.
Esse ano já pediram penico pro torcedor na tentativa de arrumar o maior erro cometido na história do Clube: o aumento abusivo das mensalidades em 2010.
Agora vão pedir penico pra L.A (afastada, pela Administração anterior, do Clube)

Mas as homenagens e a ISO...
Claro, tem que ser para os responsáveis pela grana 'colocada' no Clube que nos trouxe até essa situação tranquila e segura em 2014.
Agora, pro camisa dez...
Tem um penico no vestiário.

Link para o post original: http://dnazul.blogspot.com.br/2014/02/reservas-e-pinicos.html

A roupa nova do vidAvaí.

Quem acompanha o blog há algum tempo sabe que não gosto de manter o mesmo template e layout por muito tempo. Agora, mudei também o conceito do blog.

O vidAvaí deixou de ser um blog para virar uma revista. Os posts na capa podem ser tanto atuais quanto atemporais, dando ao leitor a escolha de ler o que mais lhe interessar. A opção de comentários também foi facilitada, sendo feita via Facebook. 

E aí, o que achou das novidades?


Competência e seriedade? Isso é coisa de jogador.


Em 2012, quando retomou a alcunha de maior campeão do estado, com um título avassalador sobre o Figueirense no Scarpelli, o Avaí devia 2 meses de salários. Os valores foram quitados após a chegada de Marcelinho Paulista, segundo o post da Kátia de Paula linkado no texto.

Parece que aquilo convenceu a Diretoria e seus apoiadores de que competência e seriedade é coisa de jogador, o clube não precisa ser tão comprometido assim. Por quê parece? Hoje, o vice-presidente do Conselho Deliberativo do Avai saiu com essa: 
Tudo como dantes no quartel de Abrantes, com o Conselho Decorativo aplaudindo os problemas reais e apontando os efeitos como causas, em uma lógica meio parecida com a reversal russa. Quando o ano começou, membros do novo CD e da nova Diretoria pediram um voto de confiança. A trégua acabou. 

#ForaRondinelli

Desde que chegou ao Avaí, Julio Rondinelli não conseguiu desenvolver um trabalho que trouxesse ao clube equilíbrio financeiro e qualidade em campo. Além de desestruturar todo o departamento de futebol, trazendo caos às categorias de base e aos profissionais, Rondinelli optou (e foi autorizado) mais uma vez por estourar o orçamento por um "time competitivo" que possui deficiências flagrantes e não corre, pois não recebe.

Seja somente a ponta do iceberg ou não, o gerente de futebol teve sua incompetência provada por dois anos de fracassos retumbantes e ainda conseguiu criar inimigos no vestiário. Sim, a questão do Avaí não é só com salários. É de falta de confiança entre jogadores e Diretoria, especialmente com Rondinelli. Portanto, chega! FORA!


Greve: eu apoio.

Se o Avaí decidir não entrar em campo devido aos atrasos de salários, terá todo o meu apoio. Greve é uma manifestação legítima de descontentamento e protesto. Ninguém deve se sentir obrigado a ir trabalhar todos os dias, sentir toda a pressão do trabalho, ter que mostrar resultado e, em troca, não receber nem um centavo do que foi acordado.

Que os jogadores do Avaí decidam fazer como os do Racing Santander, no vídeo, que se recusaram a jogar por falta de pagamento, mas não nos façam passar por mais uma vergonha em campo como a de quarta-feira. 

Emerson Nunes e a dança da canalhice.

Emerson Nunes provou ter entrado no cargo de treinador para dançar a dança dos canalhas: a substituição de Marquinhos foi completamente injustificada do ponto de vista do futebol em campo. Jogou a torcida contra o jogador, em mais uma etapa do fritamento pelo qual vem passando o ídolo da camisa 10.

Errou tão feio que jogou a torcida contra si, pois maior parte vaiou a substituição, queimou mais uma vez o garoto Zangão, e também queimou o Galego com quem comprou o fritamento.

Espero que no próximo jogo faça as substituições - sempre horríveis, não acertou uma até agora, em todos os jogos - pensando no Avaí, não em padrinhos responsáveis pelo departamento de futebol. Aliás, o problema maior do Avaí é esse: esqueceram do objetivo autêntico do clube.

Pacotão de pré-jogo: Avaí x Joinville.

Horário do jogo: 19:30h. 
Local: Ressacada. 

Liberações de pistas:

Sentido único: Centro – Estádio da Ressacada
  • 18h até às 18h20
  • 18h35 até às 18h55
  • 19h até às 19h30
Sentido único: Estádio da Ressacada – Centro
  • 21h55 até às 22h05
  • 23h05 até às 23h25
  • 23h35 até às 23h55
Arbitragem: Leandro Messina Perrone, auxiliado por Nadine Schramm e Eli Alves. Quarto árbitro: Jaylson Giorgio Bernardi.

Os relacionados do Avaí:
Goleiros: Diego e Aleks
Laterais: Arlan, Pará, Bocão e Eduardo Neto
Zagueiros: Bruno Maia, Pablo, Antônio Carlos
Volantes: Júlio César, Eduardo Costa, Braga, Tinga
Meias: Marquinhos, Elivelton, Luciano, Diego Jardel
Atacantes: Betinho, Zangão, Felipe Alves

Provável escalação do Avaí: Diego, Arlan (Bocão?), Bruno Maia, Antônio Carlos e Eduardo Neto; Eduardo Costa, Júlio César, Cléber Santana, Marquinhos e Luciano; Betinho. Técnico: Emerson Nunes.

Atualização: Segundo Renato Pires, da Rádio Avaí, Emerson Nunes pode tentar inovar na formação:

"Diego; Arlan, Antonio Carlos, Bruno Maia e Eduardo Neto; Eduardo Costa, Marquinhos e Cleber Santana; Felipe Alves, Betinho e Luciano. 4-3-3."
É com essa formação com que Emerson Nunes flertou nos últimos treinos antes da partida contra o Joinville.

Provável escalação do JEC: Ivan; Murilo, Bruno Costa, Rafael, Wellington Saci; Naldo, Hygor, Marcelo Costa; Edgar Júnior, Tartá, Alex. Técnico: Hemerson Maria.

A situação dos times
Ainda sem vencer no campeonato, o Joinville enfrenta os desfalques de Francis, suspenso, e Fernando Viana. O time do norte do estado carimbou a trave adversária três vezes na última partida, contra a Chapecoense, mas bola na trave não altera o placar. Apesar disso, o volume de jogo imposto parece animar os tricolores.

Já o Avaí, em momento conturbado pela falta de salários e sem falar com a imprensa até segunda ordem, busca a segunda vitória em casa e no campeonato. Conta com o retorno de Cléber Santana ao time. Roberto, grande esperança dos avaianos para o ataque, ainda não foi regularizado por falta de pagamento de taxas internacionais e condição física.

Depois de Avaí x Joinville, faltarão somente 5 rodadas, 15 pontos a serem disputados. O Avaí, até o momento, tem somente 3. 





Não é tudo ou nada. Mas é quase.

Com a situação instável de Joinville e Chapecoense na tabela, com dois pontos cada um, o Avaí ainda pode se dar ao luxo de dizer que está na frente de grandes clubes do campeonato. Um luxo de duas vias. A situação é delicada mesmo assim. Pro Avaí, é o primeiro confronto direto com um grande concorrente a uma das quatro vagas. Além de não permitir uma escapada de quem já está na frente, pode enterrar o time do norte do estado na tabela. O que não é bom, pois tudo isso pode se aplicar ao próprio time caso perca.

Na partida de hoje a noite, o Coelho deve tentar somar os primeiros três pontos na competição. Com a a vantagem de ser comandado por um técnico que conhece muito bem o elenco avaiano. Ou seja, time mordido, bem comandado e com conhecimento das deficiências que temos. Parada duríssima.

A nosso favor, somente a mistica da Ressacada e o inveterado otimismo do Borges. Nem mesmo a qualidade do elenco conta, afinal já perdemos para Marcílio Dias e Ibirama. 


Os relacionados do Avaí:

Goleiros: Diego e Aleks
Laterais: Arlan, Pará, Bocão e Eduardo Neto
Zagueiros: Bruno Maia, Pablo, Antônio Carlos
Volantes: Júlio César, Eduardo Costa, Braga, Tinga
Meias: Marquinhos, Elivelton, Luciano, Diego Jardel
Atacantes: Betinho, Zangão, Felipe Alves



Provável escalação do Avaí: Diego, Arlan (Bocão?), Bruno Maia, Antônio Carlos e Eduardo Neto; Eduardo Costa, Júlio César, Cléber Santana, Marquinhos e Luciano; Betinho. 

Provável escalação do JEC:  Ivan; Murilo, Bruno Costa, Rafael, Wellington Saci; Naldo, Hygor, Marcelo Costa; Edgar Júnior, Tartá, Alex. 


Borges, um otimista irremediável.

Conheço o cara mais otimista da face da terra em relação ao Avaí. E, por incrível que pareça, ele é também um dos maiores críticos. Quase todos os anos ele repete que se o time é fraco, ao menos é melhor do que os outros. Ou mesmo que é bom, mas que o Avaí não chega as resultados por culpa de técnico, diretoria, falta de comprometimento ou uma ou duas peças ruins entre os titulares. Com o Felipe Borges é assim: quase sempre o Avaí tem time para ser campeão catarinense e ainda subir pra Série A, mas as coisas não rolam. 

Com a crise instalada ontem, devido a intenção dos jogadores de liberar uma nota sobre os salários atrasados no clube, fato que deve se concretizar hoje após os treinos -, o que ninguém espera é uma vitória sobre o Joinville amanhã na Ressacada. Quer dizer, menos o Felipe Borges. Hoje de manhã, ele dizia: "Crise fodida. Tá na cara que vamos ganhar do JEC."

Que os deuses da bola lhe ouçam...

Um ídolo do passado?

No site da Conselharia Azurra, as discussões sobre Marquinhos Santos continuam soltas. Apesar de não ver razões para fritar o Galego em praça pública, como vem sendo feito, ele também vai precisar dar uma resposta enérgica às críticas. 

Sou fã confesso e desmedido do Anjo Loiro da Ressacada. Minha opinião é um pouco fanática demais, Marquinhos pra mim foi o maior jogador que vi com a camisa do leão e meu maior sonho é tomar um geladal com ele. Nas férias, quando ele pode. Sim, porque ídolo não pode ser santo, mas não pode colocar o clube em segundo plano. Tem que falar o que e quando bem entender e principalmente resolver no campo. 

O momento para Marquinhos não é de reclamar da imprensa. Sim, ela está ajudando a criar o clima para sua despedida ao final do contrato - clima que o clube parece querer alimentar. A hora é de treinar, treinar e treinar, cuidar da forma física, botar ordem na casa, honrar a braçadeira de capitão e tenta levar o Avaí a mais um título, doa a quem doer. Não de se entregar aos prazeres de verão em Florianópolis. Fazer o que for necessário, mesmo fora das quatro linhas.

Um ídolo só é um ídolo quando coloca a fome por títulos no clube em primeiro lugar. Não precisa ter dietas regradas, nem comportamento exemplar, mas tem que resolver. O Galego tem todo o direito de errar, mas não pela segunda vez consecutiva. Se as coisas estão erradas, ele é o único no Avaí que possui credibilidade e bagagem para emparedar publicamente quem não estiver comprometido ou pedir pra sair se ele também não quiser se comprometer. Na situação atual, não é nenhuma vergonha. Para isso ele tem toda a liberdade que quiser. Até para dar a tal porrada na mesa.

Se os salários atrasados incomodam, se algo está rolando no vestiário e prejudicando o Avaí desde o ano passado, quando o grupo de jogadores decidiu jogar 20 milhões de cota de TV do Avaí no lixo, que Marquinhos seja o torcedor dentro do clube e coloque a situação a público se for a única maneira de resolver. Que vá na carne,  mas que ele seja o ídolo que se fez ser tanto pelo que falou, tanto pelo que jogou. Para que seja um ídolo do passado e do presente.

O Avaí perdeu por 3x2, de virada, em Itajaí. Tenho minhas dúvidas sobre o quanto Marquinhos se importou com isso...

Nota do blogueiro: das 13:12 às 15:20h do dia 3/2/2014 o texto da última frase era diferente. Foi modificado por não ser possível comprovar o texto original.

Jamais entenderei.

Os parâmetros orçamentários do Avaí para este ano eram baixos. Não poderia ser diferente para um clube quebrado. Com poucos patrocínios, muitos salários a acertar e compromissos trabalhistas na Justiça, a ideia de um time barato mas aguerrido já era assimilada aos poucos pelo torcedor. Com a manutenção quase milagrosa da trinca formada por Cleber Santana, Marquinhos e Eduardo Costa, uma dúvida pairou sobre todos: como e por que o Avaí fez isso?

Ainda que saiba que jamais terei acesso às maneiras utilizadas pelo Avaí para manter os três jogadores mais caros do elenco, continuo sem entender o porquê. Em entrevista, o coordenador de futebol, Chico Lins, declarou que o Avaí ultrapassou um pouco a previsão inicial do orçamento para poder contar com um time competitivo. Fica mais uma questão: de novo?

Porque esse discurso continua permeando a administração do Avaí, um clube que, como qualquer outro, não pode se dar ao luxo de sequer pensar em gastar o que não tem, é uma incógnita. Muito menos o porquê de arriscar novamente uma fórmula que já se provou fracassada. Existem coisas no futebol que não foram feitas para se entender. Definitivamente. 



O Avaí não é fraco. Emerson Nunes parece ser.

O Avaí mostrou saber jogar bola em todos os 3 jogos do campeonato catarinense até agora. Um time com boa compactação, que faz o jogo girar bem, que marca por zonas, sempre começa bem mas, com o decorrer da partida, sente a falta de qualidade de comando e entrega o ouro. O Avaí está patinando nas e escalações erradas e nas substituições absurdas de Emerson Nunes.

Betinho me surpreendeu com os dois gols. Aliás, vou começar a cornetar alguém no pré-jogo, sempre. Parece ser a senha para sair o doblete. Por fim, não tenho muito o que comentar da partida. O Avaí mais uma vez mostrou que pode. Emerson Nunes desmontou o esquema, não reforçou a defesa para evitar a virada e ainda optou por Felipe Alves no lugar de um meia. Está brincando de ser treinador. 


As expectativas para Marcílio Dias x Avaí.

Não conheço o time do Marcílio Dias, mas sei que empatou no Indio Condá e que possui esse único ponto. Nada demais, afinal até o Juventus ganhou lá nesse início de campeonato desastroso da Chapecoense. Portanto, o que posso dizer é o que espero do Avaí. 

Sem Cleber Santana, fora do jogo por falta de tempo para registrar o contrato de renovação, Emerson Nunes deve escalar Diego Jardel ou Tinga no time, se pretende manter o esquema. Pode pintar também com um segundo atacante, como Felipe Alves. O mistério permanece. 

Eu iria de Zangão. Hora de ver o pequeno promissor sendo titular contra um time de menor expressão, num esquema de três atacantes, com Luciano e ele um pouco mais recuados, batendo com os laterais.  Deixaria Marquinhos centralizado e Betinho na frente, sendo o cone habitual . Aliás, no último jogo, se não é a genialidade do Cléber, ele não teria feito o quarto gol. 

Também não mexeria na lateral direita. Bocão se mostrou uma grata surpresa e Arlan não fez uma boa apresentação no primeiro jogo, inclusive entregando a bola do segundo gol.

Espero ainda um Avaí se impondo na casa do adversário, mas não ficando com a posse por tanto tempo a ponto de colocar todo o time na área ofensiva. Isso é um verdadeiro pecado se você não é o Barcelona. Um time rápido, incisivo e com faro de gol, de preferência. 

Quanto ao público, a torcida avaiana deve estar presente, porém com ingressos a R$40 na hora, enquanto custaram a metade durante a semana, não deve lotar a área visitante. 

Se o Avaí ganhar jogando um bom futebol, nada vai me tirar da cabeça: WE CAN.


- Copyright © vidAvaí - Skyblue - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -